Um vulto na penumbra

Clarice assistiu um filme impróprio no cinema. Ela tem 11 anos e a película estava regulada para pessoas acima de 13. Entrou com a irmã mais velhas e as primas. O filme tinha cenas violentas, o que deve tê-la deixado bastante impressionada.

Duas da manhã, durmo pesadamente e sinto uma mão a me tocar o rosto. Abro os olhos e vejo aquela figura conhecida, dissolvida na penumbra do quarto. - Pai, estou tendo um sonho ruim. Chego-me para o lado, puxo o edredom e ofereço o canto. - Deita aqui, que papai te protege, digo flexionando o bíceps deficitário de musculatura. Ela ri, deita-se ao meu lado, abraça-me e dorme imediatamente. Passo a noite em claro. Fico ali, guardando o sono de Clarice, de olho na janela, de olho em Liam Neeson.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

(Para o Wellington Barbosa Gonçalves, o Gagau) Aquele menino tinha tesouros que valem mais que ouro. Mais que prata e do que queijo e requeijão. Ele tinha um embornal com bolinhas de gude, um pião de

(Para a poeta galega Concha Rousia) O tempo, às vezes, é um objeto. Ainda ontem escutei alguém afirmar tê-lo perdido. E comigo! Eu não o tenho em minha posse (juro!). Eu, que já perdi a carteira, o te